Notícia

Nossa grande riqueza (O Café) encantou o público no Desfile de Sete de Setembro de 2018

Secretaria Municipal de Educação e Cultura 12/09/2018

“CAFÉ, A GRANDE RIQUEZA DE CONCEIÇÃO DAS PEDRAS”

O desfile cívico em comemoração aos 196 anos de Independência do Brasil foi aberto com as bandeira Nacional, Estadual e Municipal que foi conduzida por policiais militares.

Embasado no tema: “CAFÉ, A Grande Riqueza de Conceição das Pedras”, o desfile cívico de Sete de Setembro contou e realçou o produto, considerado o principal produto da economia de Conceição das Pedras, e é considerado o segundo produto mais representativo na economia de Minas Gerais. Só perde para o minério. O café mineiro pode ser considerado o Ouro Negro do Estado.

Conceição das Pedras possui uma área de 1.920 hectares de plantação de café. Uma grande riqueza do Município que vem unindo a tecnologia aplicada desde a colheita dos melhores grãos para oferecer ao mundo inteiro suas qualidades.  

O tema foi amplamente trabalhado pela Escola Estadual Antonio Carlos e Escola Municipal Mathilde Fabris Bianchi e muito elogiado pelo público presente, que pode ver um desfile grandioso onde os organizadores não mediram esforços e esmero ao retratarem nossa realidade.

Na entrada da prefeitura ficou o troféu conquistado pelo cafeicultor Jesimar de Oliveira Sandi, proprietário do Sítio São Joaquim, que produziu o melhor Café Natural do Brasil na safra 2012, sagrando-se campeão do 2º Concurso de Qualidade Cafés do Brasil 'Cup of Excellence Natural Late Harvest' com a nota 92,13 pontos (escala de 0 a 100). Desde então vem conquistando excelentes colocações, permanecendo entre os primeiros colocados.

Conceição das Pedras teve sua origem com a mineração, hoje garimpa outra riqueza com cores diferentes das pedras preciosas aqui encontradas, agora são as cores vermelho e amarelo com sabores diferente e aroma inigualável.

O desfile cívico de Sete de Setembro realçou os detalhes do plantio, cultivo, colheita, variedade, sabor e exportação do café.

Escola Municipal Mathilde Fabris Bianchi:

1ª ala – Plantio do café: nossas pequenas crianças do maternal e primeiro estágio trouxeram mudas de café;

 2ª ala – Carpina do café: em sua fase de formação as raízes são ainda restritas e o mato cresce sugando os nutrientes da terra, necessitando da carpina manual em média duas vezes ao ano, alunos do segundo período da Educação Infantil representaram os capinadores de café;

3ª ala – Cafezal em flor: ver a flor transformar em fruto e sentir o fruto doce é porque está no ponto ideal de maturação, alunos do segundo ano representaram as flores dos cafezais;

4ª ala – As variedades do café: existem muitas variedades da planta de café Arábica. As mais comuns em nosso município são: Bourbon, Catuaí, Acaiá e Mundo Novo; e dentre essas há também várias subvariedades: Bourbon Amarelo e Vermelho, variedades de Mundo Novo, dizem que o café Bourbon é considerado um dos melhores cafés para produção de cafés gourmet, alunos do primeiro ano representaram os vários tipos de café;

5ª ala – Colheita do café: o produtor realiza a colheita, a economia do município fica em alta, alunos do terceiro ano representaram os colhedores e colhedoras de café;

 6ª ala – Degustação: degustar um café exige paciência e muito treino, o café é uma bebida rica em aromas, sabores, texturas e cor, o que torna a sua degustação uma experiência enriquecedora, alunos do quarto e quinto ano representaram os degustadores.

O desfile contou com a Fanfarra Mirim do CRAS – Geralda Ferreira, sob a regência de Wagner Luiz de Aguiar.

 

A Escola Estadual Antônio Carlos trouxe o tema: Evolução da Exportação Cafeeira

1ª ala: Evolução da Exportação Cafeeira: o ano era 1850, barão e baronesa do café, imigrantes europeus retrataram a fase onde o café era o primeiro produto de exportação do Brasil;

2ª ala – Transporte em cargueiros e carros de boi, muares e bovinos foram conduzidos, retratando as dificuldades em transportar as sacas de café que eram levadas ao município de Santa Rita do Sapucaí;

3ª ala – Transporte Ferroviário e Marítimo: trem e navio ocuparam a praça;

4ª ala – Transporte Atual: trator e caminhão escoam a produção da roça até os compradores que posteriormente exportam, colocando nossos cafés na Noruega, Canadá, Japão, China, Estados Unidos, Canadá, Iugoslávia;

5ª ala – Cafés Premiados: vale lembrar que o café é um produto típico de Terroir, que quer dizer todas suas características de bebida são influenciadas pela geografia, seja na localização, seja pelo clima, pela botânica e pelo toque humano, flâmulas continham os nomes dos cafeicultores premiados do nosso município.

O desfile contou com a Fanfarra da Escola Estadual Antônio Carlos, regida pelo professor Edmar Reis de Moraes sob a coordenação de Wagner Luiz de Aguiar.

Comentários pós desfile retrataram bem o tema abordado, uns gostaram pela organização, outros por mostrar nossa realidade.

E eu já ia esquecendo de um item do desfile que foi o estande do café, isso mesmo, durante todo o desfile foi feito e servido o “Café Siqueira” com biscoitinho. Aroma e sabor tomaram conta da praça.

E temos também que enaltecer e agradecer o apoio dos empacotadores de café do nosso município: Juliano César da Silva e Heleno Batista da Silva (Café do Sítio Verde e Café Ouro da Serra); Agostinho Vítor Siqueira (Café Siqueira); Elias Ramos Vilas Boas e Emílio Teófilo Vilas Boas (Café Pedrense); Jesimar de Oliveira Sandi (Café Mirante da Serra); Adriano Assis do Couto Faria (Café Piranguinho); Leandro Anesi (Café Clássico Aroma).

E o Senhor José Benedito da Silva (Nego) pela doação das mudas.